Categories

Blog powered by Typepad

Twitter Updates

    follow me on Twitter

    « A Lapa vs Coimbra | Main | Livros africanos »

    12/19/2012

    TrackBack

    TrackBack URL for this entry:
    http://www.typepad.com/services/trackback/6a00d8341d53d453ef017c34c13a11970b

    Listed below are links to weblogs that reference Ferro frio:

    Comments

    Feed You can follow this conversation by subscribing to the comment feed for this post.

    AB

    A determinada altura, lá mais para o fim da coisa, Margarida Acciaiuoli, em conversa com José-Augusto França, arruma a questão afirmando que António Ferro "não era levado a sério". Eu diria que que o documentário, e vi-o duas vezes, também não...

    Alexandre Pomar

    Pois é, AB, a M.A. afectou o fim da 1ª parte, e a coisa só melhorou pouco na 2ª. Além das formigas e dos efeitos fotográficos gratuitos, e das mãozinhas que saiem das caixas, etc, temos o problema dos depoimentos. Uns são pré-históricos (o Rui Mário e o pobre Rogeiro - justifica-se o TOM que foi daquele tempo), outros são intemporais ou a-históricos, de gente que não se preocupou em rever a matéria antes da filmagem e menos ainda de actualizar a antiga informação (o JAF e a Margarida, o Rosas). A moda dos documentários sem narrador, sem texto autoral e sem decidida investigação própria tem tido efeitos preguiçosos: cada um fala para o seu lado e da soma de intervenções não sai nada de jeito. Salvaram-se um Senhor de direita, o Fernando Guedes, o José Sasportes, que sabe de dança, e a Vera Marques Alves, que sabe de arte popular. Neste caso e noutros, a baralhada que fazia o Salazar com os seus diferentes e opostos servidores saiu vencedora...

    A coisa foi bastante discutida no Facebook onde me dizem que escrevo de mais:

    1 . Também achei muito mal, e acabou pior com a Margarida Acciaiuoli a dizer entre risos que ninguém levava o Ferro a sério. O disparate é grosso e deve vir do hábito de desvalorizar todas as figuras do regime: no 2º Pós-Guerra (e ao longo dos anos 50), os artistas anti-SNI ganham peso e Ferro deixou de ter os modernos mais jovens do seu lado; há novos desiquilíbrios entre facções do regime e uma nova oposição interna desenvolvimentista que se serve da crítica ao folclorismo nacionalista (que antes tinha uma dimensão moderna) para ganhar posições; o regime de Vichy tinha posto em cheque algumas relações ideológicas da etnografia da época (que a Leste resistiram inalteráveis). Mas tudo isso, que leva à demissão e ao exílio, não permite aquele disparate professoral avalizado pelo França, algo incomodado (pareceu-me).

    2 . O Duarte Pacheco leva o Ferro a sério e constrói-lhe o MAP; o Henrique Galvão leva o Ferro a sério e combate-o na rádio e na praça pública de Belém (vejam-se o prefácio do catálogo da Secção Colonial de 1940 - e os cortejos históricos); folheie-se a revista Panorama para ver que os intelectuais e artistas dos anos 40 o levam a sério. Aliás, o filme preencheu-se com as formigas, exercícios visuais (os castelos de catálogos repetidos estupidamente), excessos de depoimentos e discursos apatetados (Lourenço em 1º), e muito pouca ou nenhuma documentação sobre factos, instituições, exposições, iniciativas, etc. Já não dá para recuperar na 2ª parte. Salvou-se o Fernando Guedes, editor, crítico de arte, figura da direita (não indicado pela RTP na lista dos entrevistados), com algo de concreto, e claro, a Vera Marques Alves.

    3 . Parece-me que o Ferro fez um forte 1º tempo do regime, com certas vanguardas artísticas e políticas cosmopolitas, mas o novo contexto ideológico do pós-guerra deixou-o vulnerável às diferentes oposições internas e cortou-lhe o acesso à oposição externa ao regime. Deixou de ser útil no final dos anos 40.

    4 . O Ferro foi muito mais que um propagandista de Salazar e um defensor das ditaduras - esse foi o quadro político da sua acção e a ligação institucional ao apogeu dos fascismos. A Política do Espírito, a defesa da arte moderna, as campanha do Bom Gosto (a publicidade, a decoração, a arquitectura, o turismo, etc), o interesse pela etnografia e a ligação entre popular e moderno (usando a busca das raízes nacionais num diálogo cosmopolita e partindo da arte e das tradições populares para fundar novas vanguardas modernistas - tudo isso é próprio do seu tempo internacional) são linhas de actuação que impôs e com que deixou prolongadas marcas.

    5 . Julgo que a Acciaiuoli não se refere ao passado recente (em que o Ferro tem sido bastante levado a sério e reconsiderado pela informação de esquerda), mas ao seu tempo de actuação - e isso é que é grave: o Ferro teve muitos adversários e críticos: a sua distância face ao país colonial criava-lhe inimigos; por outro lado, quer as orientações vanguardistas quer a procura das raízes populares da tradição (numa síntese difícil de cosmopolitismo e nacionalismo) traziam-lhe incompreensões e inimigos.

    6 . Uma ou duas questões: Ferro não pode reduzir-se à "propaganda nacionalista" - pelo contrário: o que tem de nacional (nacionalista?) é cosmopolita e moderno, e é por isso que Henrique Galvão o ataca frontalmente no catálogo da Secção Colonial: "A arte em Portugal não tem cunho nacionalista - esse cunho que podia e devia ser a razão da sua originalidade. Encontra apenas, aqui ou acolá, o amparo e o esforço de um ou outro artista cujo espírito criador pretende reagir contra o seu internacionalismo - ou antes: contra a sua falta de expressão definida. Escreve-se à francesa, pinta-se à espanhola, constrói-se à americana - mas nem na forma nem nos motivos isto é: nem na técnica nem na inspiração, os artistas são portugueses." Fala-se demais do ataque aos modernos de Ressano Garcia na SNBA, mas ignora-se a oposição longa de Galvão, nacionalista-colonialista: http://alexandrepomar.typepad.com/alexandre_pomar/2010/03/debates-de-1940-arte-popular-e-arte-portuguesa.html

    7 . Apesar de Galvão vir a cair em desgraça (no final dos anos 40, tb - esse passando à oposição), a não-relação de Ferro com o Império é uma das suas fragilidades. Por outro lado, os ditadores de longa duração precisam de ir mudando os seus homens.

    8 . Nenhuma "recuperação ou reabilitação" (não dá para reutilizar) mas uma atenção que conduza a investigações que nunca foram feitas. A nossa história da arte (até mais do que a outra) foi, além de outras coisas (muitas memórias pessoais e pouca investigação factual, muita autopromoção) uma história oposicionista, marcada pela vontade de consolidar campos exteriores ao regime - daí vários esquecimentos e facciosismos. O posicionamento político no regime conhece-se (por grosso, sem atenção às fracturas internas), a importância cultural é mais ignorada: ou seja, o Ferro de Keil do Amaral (antes de 45), de Mário Eloy, Bernardo Marques e Carlos Botelho, de Mário Novais, ou da arte e arquitectura popular (antes do Lopes Graça, do Inquérito, do Ernesto de Sousa, etc).

    Verify your Comment

    Previewing your Comment

    This is only a preview. Your comment has not yet been posted.

    Working...
    Your comment could not be posted. Error type:
    Your comment has been saved. Comments are moderated and will not appear until approved by the author. Post another comment

    The letters and numbers you entered did not match the image. Please try again.

    As a final step before posting your comment, enter the letters and numbers you see in the image below. This prevents automated programs from posting comments.

    Having trouble reading this image? View an alternate.

    Working...

    Post a comment

    Comments are moderated, and will not appear until the author has approved them.