« em Madrid | Main | Madrid, anos 50/60 »

06/12/2008

Comments

Feed You can follow this conversation by subscribing to the comment feed for this post.

José Júpiter

É muito triste ver um Museu às moscas. É ainda mais triste ir fazer a feira para um Museu e fazer dele aquilo que ele não é.

Mas é assim que o povo gosta. Quanto mais gente enlatada no mesmo sítio melhor. Quanto mais festa e entertenimento melhor! Seja... Para o bom e para o mau.

Que triste. Serralves já faz concorrência ao Centro Comercial de Berardo, perdão, Belém.

:)

ap

Não tenho de perceber tudo, mas escapa-me a referência ao CCB . Não ouvia a piada do Centro Comercial desde 2003 - e o A. Barreto não teve então razão. É bom ver um museu com gente - e agora elas vão e têm coisas para ver: o Corbusier, a exp. "Utopias" associada ao PhotoEspanha, etc.

José Júpiter

Não era exactamente uma piada ao CCB, cuja programação, no âmbito de um Centro Cultural, tem sido louvável. Era mais uma crítica à maneira como o público encara certos eventos.

Um exemplo, os primeiros meses do Museu Berardo. A diferença entre um centro comercial em época de Natal ou uma feira ao Domingo era ténue. Porque é que há pessoas que vão a estas coisas só para armar arraial, dizer mal e comportar-se animalescamente? Outros exemplos houve. A Festa da Música, a Frida Kahlo...

Não tenho dúvidas que muita gente vai porque é de "borla" e porque ouviu dizer, na televisão ou na mesa do lado ao almoço, que é daquelas coisas que toda a gente tem que ir. Conheço pessoas que invocaram essas duas razões.

A arte e a cultura deveriam ser livres e democráticas. Mas muita gente não está preparada para perceber porquê e muito menos aproveitar. Acontece o mesmo noutras áreas. Já assisti a conferências oferecidas muito interessantes em que havia pessoas que foram só para se baldarem ao trabalho e para almoçaram alarvemente de borla a seguir. E, sim, exibiram esse mote de forma orgulhosa.

Aprendi já a não dar importância a isso. E o CCB é desde sempre um dos meus locais favoritos para visita em Lisboa.

Luís Costa

São as indústrias culturais no seu esplendor. Na maioria dos casos já nem se liga, tal a indigência reinante. O caso Serralves tem a particularidade do "flavour" avant-garde para papalvo ver, o que torna a coisa ainda mais penosa.

Há que procurar a arte mais verdadeira que hoje se faz nos arrabaldes do mundo, essa é que é essa.

Verify your Comment

Previewing your Comment

This is only a preview. Your comment has not yet been posted.

Working...
Your comment could not be posted. Error type:
Your comment has been saved. Comments are moderated and will not appear until approved by the author. Post another comment

The letters and numbers you entered did not match the image. Please try again.

As a final step before posting your comment, enter the letters and numbers you see in the image below. This prevents automated programs from posting comments.

Having trouble reading this image? View an alternate.

Working...

Post a comment

Comments are moderated, and will not appear until the author has approved them.

Your Information

(Name and email address are required. Email address will not be displayed with the comment.)

Categories

Twitter Updates

    follow me on Twitter