« notas - fotografia - espanha | Main | José M. Rodrigues - 1993-98 »

08/09/2008

Comments

Feed You can follow this conversation by subscribing to the comment feed for this post.

manuelrialto

Já vi esta coisa algures....um pintor alemão tb expõe de pernas para o ar. Por isso gato por lebre não Mr Rodrigues....ok???

ap

Nem Baselitz nem Rodrigues (no caso dos retratos da série "Solo") "expõe(m) de pernas para o ar". E não foram os primeiros nem os últimos a inverter retratos. O pintor pinta ou desenha as suas figuras invertidas para distanciar as referências ou afastar a respectiva identificação, para apagar ou tornar indiferente o motivo, dando a ver a pintura apenas (o pictural, o quadro como imagem, etc). JMR, pelo contrário, procura tornar mais intensa a procura da "identidade" ou mesmo da verdade do seu modelo, através de uma radical alteração do que é a pose habitual face ao fotógrafo. O modelo está deitado sobre um chão exterior e a câmara está sobre ele a muito curta distância. A cumplicidade e a disponibilidade dos modelos, a interacção ou performatividade do retrato - o balanço entre zonas de extrema nitidez e imprecisão das superfícies, e o tratamento digital da cor - fazem destes retratos o oposto da indiferença. É pena que pense baixo para rir alto.

Pedro dos Reis

A questao da originalidade da representacao e' sempre questionavel, especialmente num meio como a fotografia.
A maquina fotografica captura o real e como tal, se nao houver uma recorrencia a processos de pos-producao digitais, aquilo que se ve e' aquilo que o fotografo compos no momento (ainda que possa posteriormente fazer ligeiras correcoes).
O valor destas imagens nao esta' no valor unico da imagem invertida, mas no conjunto das imagens - uma mensagem que ultrapassa o valor individual de cada uma.
Se a mensagem que o fotografo procurou aqui foi a questao da identidade captada normalmente pelo fotografo nao me parece que a comparacao seja a mais apropriada.

Gosto muito da forma como as fotografias do tempo de Diana estao expostas. Gosto da ideia do fragmento.
Como se a imagem fosse um espelho que tivera sido partido em pedacos e espalhada pela parede - e' quase um poema.

Pedro dos Reis

Esqueci-me de acrescentar que a inversao do retrato demonstra outra das propriedades da imagem fotografica - a composicao nao acaba na captura do momento, mas tambem apos o processo de ampliacao.
A producao da imagem e', ou deve ser, um processo em varias fases; em que a visualizacao da imagem por parte do autor (com a auto-critica) e' tao importante como o que levou o autor a cria'-la, no primeiro instante.

The comments to this entry are closed.

Categories

Twitter Updates

    follow me on Twitter