« A África pode esperar - III | Main | A agenda Africa.Cont via CML (V) »

11/30/2008

Comments

Feed You can follow this conversation by subscribing to the comment feed for this post.

Artista black invísivel

É verdade que o conceito e quem define o que é arte contemporânea em África é polémico mas não o será relativamente a outros continentes Ásia, Australia ou mesmo a todos eles?
Não penso que será por isso que devemos negar ao público a possibilidade de um olhar sobre estas obras sejam elas europeias, americanas, autralianas, africanas ou com um origem no continente asiático.
Quanto á questão que coloca relativa ao Isaac Julien é importante mas não deixa de ser revelador do que em Portugal se considera: que qualquer cidadão de raça negra não é considerado português, penso que daí a escolha deste artista. O que levanta questões importantes se em Portugal todos os que não são de raça branca são considerados africanos então provavelmente essa identidade fará parte deles, a nossa identidade é formada também pela maneira como somos olhados.
Mas para mim mais importante é deixar a pergunta: porque é que havendo vários artistas de raça negra e com origem e antepassados africanos, estes não têm representavidade a nível do Ministério da Cultura nem das instituições oficiais portuguesas, sendo eles portugueses?
É que no caso do Reino Unido existem vários artistas tal como Isaac Julien que têm apoio do Estado britânico e o representam, como se explica que isso não aconteça com os artistas portugueses de raça negra ( e suas variações cromáticas inventadas pela colonização) portugueses? Como explicar a sua falta de visibilidade no contexto das artes portuguesas? Serão os artistas negros portugueses todos muito pouco talentosos, será todos o seu trabalho de má qualidade?
Fica a pergunta.

The comments to this entry are closed.

Categories

Twitter Updates

    follow me on Twitter