« Moira Forjaz: depois de "Muipiti" | Main | A África de Guy Tillim em Serralves »

03/27/2009

Comments

Feed You can follow this conversation by subscribing to the comment feed for this post.

Luisa

o maior? sempre provocador.

ap

E quem mais lhe disputará o lugar? Quem mais pode suceder ao lugar de Picasso? Também na criação digital é ele que está na primeira linha.

Luisa

Desculpa o atraso. Não tenho nada contra o Hockney e muito menos contra o Picasso, como sabes. Mas estas classificações - o melhor, o número um, o pior - deixam-me pouco à vontade. No fundo é adoptar uma quantificação de concurso, de feira, de 'salon' para uma prática tão volátil e íntima como a pintura. Quem gostava de semelhantes práticas era o Doutor França (Almada o melhor até 1950, Rodrigo o melhor de 50 para cá), no que é seguido pelo Lapa e pelo Wandschneider (o melhor de 50 para cá não é o Rodrigo, é o Noronha, diz ele). Não gosto de feiras e nunca vejo concursos. Mas gosto muito de outros pintores (o Lucien Freud vem-me à cabeça, assim de repente) que, na minha opinião, são mais interessantes do que o Hockney.

ap

Atraso? Escolher o melhor é um concurso pessoal, íntimo, que obriga a passar em revista os preferidos. Pode ser um jogo de sociedade, com o valor ou interesse de todos os jogos. O exercício de revisão nunca é inútil contra o esquecimento. E quando a recepção é, hoje, indiferente ou neutra, quando os nomes que se dizem são os das listas das bienais (os salões de agora) e quando ninguém se arrisca a escolher contra o conformismo dos museus-e-leilões, trata-se de fazer apostas próprias. Mais Hockney que Freud (ou Bacon, antes), porque as direcções de trabalho são mais amplas e mais desafiadoras. Há tempos apostava no Kitaj, que tinha voltado a fazer pintura de história, mas estragou-se nos últimos anos, antes de morrer. É gente fora das academias, que arrisca sem rede em levar para diante "géneros" que se desejavam extintos, para igualizar artisticidades inúteis.
Também gosto de quadros de estrelas desde que os vi afixados nos museus e centros de arte de Copenhaga. Percebia-se que podem implicar responsabilidades e consequências. Por cá, com as 4 e 5 estrelas ao desbarato, são quase sempre um desavergonhado mapa de dependências ou conivências.

Verify your Comment

Previewing your Comment

This is only a preview. Your comment has not yet been posted.

Working...
Your comment could not be posted. Error type:
Your comment has been saved. Comments are moderated and will not appear until approved by the author. Post another comment

The letters and numbers you entered did not match the image. Please try again.

As a final step before posting your comment, enter the letters and numbers you see in the image below. This prevents automated programs from posting comments.

Having trouble reading this image? View an alternate.

Working...

Post a comment

Comments are moderated, and will not appear until the author has approved them.

Your Information

(Name and email address are required. Email address will not be displayed with the comment.)

Categories

Twitter Updates

    follow me on Twitter